Stress no trabalho aumenta risco de ataque cardíaco em 23%

stress no trabalhoTrabalhadores com tipos de trabalhos muito exigentes e sem liberdade de decisão têm um risco maior de ter um ataque cardíaco, em comparação com outras pessoas de sua idade cujos empregos são menos estressantes, segundo estudo de pesquisadores da University College de Londres, publicado na revista The Lancet.

Se você tem um trabalho muito estressante e não têm liberdade para tomar decisões, suas chances de experimentar um ataque cardíaco são 23% mais altas, eles explicam.

Um estudo realizado em 2008 por pesquisadores da mesma universidade em Londres, envolvendo mais de 10 mil funcionários públicos, ligou o estresse no trabalho a um risco maior de doenças cardíacas.

O líder da equipe, Mika Kivimäki da University College London, disse:
“O agrupamento de estudos publicados e não publicados nos permitiu investigar a associação entre a doença arterial coronariana (DAC) e a exposição ao estresse no local de trabalho (definido por demandas de trabalho de alto e baixo controle de decisão) com maior precisão do que tem sido possível anteriormente. Nossos achados indicam que a tensão no trabalho está associado a um pequeno, mas consistente, aumento do risco de sofrer um primeiro evento de CHD (Doença Cardíaca Coronariana), como um ataque cardíaco. ”

Um estudo realizado por pesquisadores do Hospital da Mulher de Boston, Massachusetts, EUA, descobriram que as mulheres em postos de trabalho altamente estressantes são 40% mais propensas a sofrer de doenças cardíacas e cardiovasculares, incluindo ataque cardíaco, acidente vascular cerebral isquêmico e artérias bloqueadas, do que outras mulheres da mesma idade.

Neste último estudo, Kivimäki e sua equipe resolveram determinar se o estresse no trabalho pode ter impacto sobre o risco de doença cardíaca coronariana. Eles conduziram uma meta-análise que abrange 13 países europeus, incluindo o Reino Unido, Suécia, Holanda, França, Finlândia, Dinamarca e Bélgica. Os estudos se estenderam do ano de 1985 a 2006. Os participantes foram convidados a preencher um questionário no início de seus estudos – foram feitas perguntas a respeito de como eles eram livres para tomar decisões, demandas de seu trabalho, cargas de trabalho excessivas, e os níveis de pressão de tempo.

Foram selecionados 197.473 participantes, 15% (30.214) relataram a tensão no trabalho, houve 2.358 casos de incidência de doença arterial coronariana (morte coronária ou ataque cardíaco primeiro não-fatal).

 

Stress no trabalho

 

Mesmo depois de levar em conta fatores como status sócio-econômico, sexo, idade e estilo de vida, o risco de 23% de doença cardíaca coronária ainda estava de pé.

O estresse no local trabalho é apenas uma das consequências que os fatores psicossociais e de risco que ambiente pode causar. A prevenção do estresse no trabalho pode reduzir a incidência de doença cardíaca coronária, assim como também outras doenças. Exposições como a insegurança no trabalho e fatores relacionados ao capital social e emoções, são características de grande importância tendo em vista a saúde do trabalhador.  Um estudo de 2008 mostrou que o estresse no trabalho dificulta o sono, e que a falta de sono leva a outras conseqüências negativas para a saúde.

Fonte:
“Job strain as a risk factor for coronary heart disease: a collaborative meta-analysis of individual participant data”
Prof Mika Kivimäki PhD
The Lancet
, Early Online Publication, 14 September 2012. doi:10.1016/S0140-6736(12)60994-5

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *